Overclock

G3258 under dry ice – Parte I

Fala galera,

Conforme havia dito no post passado, iria benchar forte o G3258 para o OC Challenge Division III e está aqui o resultado da primeira sessão de benchmark.

Como pode-se ver, o foco aqui foi o IGP do Pentium, na próxima será  vez dos benchmarks 2D.

Fotos da bancada:

Resultado:

Então vamos aos detalhes…

VCCIN: 2.3V | Vcore: 1.8V | Vring: 1.525V | Tensão do IGP: 1.7V – Quantidade de gelo seco usada: 1.5Kg

Anteriormente fiz um pequeno guia de overclock para esses IGPs do Haswell juntamente do review da Z97-A no OverBR (pode ser visto aqui), nesse guia não abordei overclock extremo desses IGPs, alias, é isso que eu farei agora!

  1. Para quem já mexeu com as APUs da AMD e acha que IGP é tudo igual, eis o primeiro engano…
    Devido as diferenças de implementação (AMD acessa diretamente a memória e o Intel usa o cache L3 do CPU para armazenar as “coisas” mais importantes e só depois parte para a memória) o Intel depende muito menos de largura de banda que o AMD, então podemos trabalhar com as boas e velhas PSC com latências agressivas e clock pouco abaixo dos 1300MHz (DDR 2600MHz) que o resultado vai ser melhor do que com as Hynix CFR @ 1400MHz (2800MHz).
  2. Clock do Uncore faz diferença pelo motivo acima explicado.
  3. Esses IGPs atingem clocks elevadissimos mesmo no ar/água (1700~1750MHz) e escalam alguma coisa com frio (~1950MHz @ -50ºC), talvez uns 2000~2100MHz sejam possíveis no LN2.
  4. Fazer delid do CPU (arrancar o IHS), usar uma boa pasta térmica (OCZ Freeze, eVGA Frostbite, Gelid Extreme, Thermal-Grizzly Kryonaut) e usar um pot parrudo é mais do que obrigatório se for benchar forte o IGP dos Haswell!!! A dissipação do CPU aumenta consideravelmente com o IGP rodando forte e excede por muito o TDP padrão… Para terem noção, o Unigine DX11 aparentemente deu throttling, não sei se por esse motivo, mas muito provavelmente deve ser.
  5. O driver de vídeo é de importância vital para se conseguir bons resultados. 😉

Enfim, posso concluir que a experiência de OC Extremo com o IGP da Intel foi muito boa e até mesmo gratificante! Para quem fazia umas porcarias horrendas (aka GMA950) e que até a poucos anos atrás continuava fazendo IGPs horríveis (o do Sandy Bridge) o avanço é mais do que nítido… AMD e suas APUs que se cuidem!

Anúncios

1 thought on “G3258 under dry ice – Parte I”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s